-
18/12/2019 às 17h00min - Atualizada em 18/12/2019 às 17h00min

Exposição apresenta memórias de diálogo artístico no mercado Porto do Sal

A mostra reúne elementos da pesquisa visual e material no entorno do mercado

Assessoria de Comunicação do evento
Com edição do belem.com.br
A exposição exibirá elementos que contam a história do desenvolvimento da obra "Mastarel", instalada em 2016 no topo do mercado (Foto: Débora Flor/ Divulgação)
   
A partir do diálogo entre arte e cultura ribeirinha, a artista Elaine Arruda e o mestre de carpintaria naval João Aires inauguram a mostra "Mastarel: Rotas Imaginais" nesta quinta-feira (19), às 18h30, no Espaço Cultural Banco da Amazônia, em Belém, com curadoria de Vânia Leal. A entrada é  gratuita. A exposição reúne elementos da pesquisa visual e material no entorno do Mercado do Porto do Sal, localizado no bairro da Cidade Velha, na capital paraense. O nome da mostra é uma alusão ao conceito de uma "Amazônia Imaginal" descrita pelo autor Vicente Franz Cecim, que descreve esse estado entre o real e o imaginário.

A exposição terá fotografias, gravuras, desenhos, livro de artista, documentos e objetos que fazem parte da pesquisa de doutorado de Elaine, na Universidade de São Paulo (USP), e que contam a história do desenvolvimento da obra "Mastarel", instalada em 2016 no topo do mercado, às margens da baía de Guajará, tornando o local um barco imaginário; seu João é o único mestre em carpintaria naval da região do Porto do Sal,  um dos raros locais da cidade onde a prática da construção de barcos em madeira é exercida.

Quando instalada, há três anos, a ideia era lembrar a presença dos mastaréus (parte superior do mastro) nos barcos e o próprio território ribeirinho como uma referência ao passado de tradições que estão desaparecendo, deslocando simbolicamente a margem do rio para cima do mercado por meio da instalação artística. Desta vez, os artistas observam as narrativas e a poesia da obra, a partir da relação das pessoas que moram nas palafitas ao redor do mercado e que circulam e trabalham diariamente por lá - um desdobramento do sentido inicial da obra.

"Passamos a pensar o próprio mercado como um barco, a partir das entrevistas com os moradores. Uma das feirantes, a Arlete, que tem um restaurante em um box, me relatou que as pessoas chegam ao mercado e se referem à ele como um barco, perguntam quando o barco vai navegar. Ela responde que todos os dias. Foi a partir disso que começamos a pensar nesse espaço como pertencente à uma Amazônia do passado, entre o real e o imaginário", comenta Elaine Arruda.

Para seu João Aires, que atuou como marceneiro durante 26 anos e é um dos únicos responsáveis pela manutenção dos barcos que atracam nos portos da Cidade Velha, a obra traz a lembrança de suas antigas demandas de trabalho. "O mastarel existia nos barcos e nas canoas, mas hoje os barcos se modificaram. Tudo mudou. Me sinto feliz que isso trouxe curiosidade nas pessoas, eu converso, explico. Fico emocionado em falar dessa obra que realizamos juntos", comenta o mestre.

Mastarel

Em proposta de site specific (obras criadas para um determinado local e em diálogo com a sua história e pessoas), "Mastarel" foi o resultado de uma relação de pesquisa sobre a paisagem ribeirinha da Cidade Velha. Contemplada com o Prêmio de Pesquisa e Experimentação Artística 2016, da Fundação Cultural do Pará (FCP), a ideia era que a obra ficasse por 30 dias no topo do mercado, mas por conta de uma repercussão positiva junto à comunidade, o Iphan concedeu parecer favorável à permanência do mastro. Com isso, a estrutura recebeu iluminação de Lúcia Chedieck bem como restauros periódicos. 

Serviço:
Exposição "Mastarel: Rotas Imaginais", de Elaine Arruda e mestre João Aires, com curadoria de Vânia Leal
Quinta-feira (19), às 18h30
Centro Cultural Banco da Amazônia (Av. Pres. Vargas, 800 - Campina)
Entrada gratuita
Visitação: 20/12 a 30/01/2020, de 9h às 17h


 

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »
-

Qual dos museus em Belém deveria ser visita obrigatória para qualquer pessoa que queira conhecer mais a cidade?

66.7%
4.8%
0%
9.5%
19.0%