-
20/12/2019 às 10h00min - Atualizada em 20/12/2019 às 10h00min

Dráuzio Varella ensina, em Belém, sobre qualidade de vida

O médico e escritor paulista esteve na capital paraense, onde fez uma reflexão sobre a vida moderna e seus problemas

Andreza Gomes
Jornalista do belem.com.br
Médico e escritor paulista, Dráuzio Varella lembrou a importância da atividade física para uma vida com mais qualidade (Foto: Rafael Fernando)
  
“É um prazer estar aqui em Belém do Pará, uma cidade com uma paisagem deslumbrante”. Foi assim que o médico e escritor paulista Dráuzio Varella, conhecido pelos trabalhos em meios de comunicação, iniciou sua palestra na noite desta quinta-feira (19), na sede campestre do clube Assembleia Paraense. O médico foi aclamado por mais de 1,5 mil pessoas presentes ao evento.
 
“O que aconteceu com a gente na vida moderna?” foi a pergunta a partir da qual o médico deu início à sua explanação. Ele contou sobre como o homem vivia no passado, relatou os costumes para sobrevivência, no tempo das cavernas, e fez um alerta: “Passamos a vida inteira atrás de comida”.
 
Com a evolução tecnológica, o acesso à informática, a vida farta e barata, Dráuzio Varella disse que 90% das pessoas passaram a ganhar a vida sentadas e esta inatividade é responsável por duas maiores epidemias do mundo moderno: a diabetes e a pressão alta.
 
“No Brasil, 800 mil pessoas são diabéticas e 13 milhões são candidatas à hipertensão. Nós, brasileiros, nos acostumamos com essas doenças, que trazem sérios problemas como: ataques cardíacos, AVC, amputações”, detalhou.
 
Durante a palestra, cujo tema geral foi “Qualidade de vida e as repercussões da vida moderna na saúde”, Varella lembrou que as mulheres, em quase todos os países do mundo, vivem mais que os homens, por serem mais cautelosas em relação à saúde.
 
“Precisamos cuidar do físico, viver mais, mas não a qualquer preço. Mudar o consumo de alimentos, controlar o apetite para ter uma vida confortável”, aconselhou.
 
Ele afirmou, ainda, a importância do movimento para o corpo humano. “O corpo humano é uma máquina feita para o movimento. A Organização Mundial da Saúde recomenda que a pessoa caminhe pelos menos 30 minutos, cinco vezes na semana. Eu caminho uma hora e meia, relaxo e esqueço os problemas do dia a dia”, relatou.
 
Depressão e ansiedade
 
O médico também falou sobre dois dos problemas mais comuns nas sociedades modernas: a depressão e a ansiedade.
 
“Eu acho que ansiedade e depressão são resultado das pressões da vida moderna. Nos últimos 20, 30 anos só aumentou e muito a pressão com a tecnologia. Geralmente, tudo agora é feito pelas redes, tanto as relações de trabalho quanto pessoais. WhatsApp e email, por exemplo, você precisa responder toda hora. E chega um ponto em que o cérebro humano não consegue organizar toda essa informação”, pontuou Dráuzio Varella.

Para o médico, no entanto, é possível sim prevenir e evitar o estresse emocional causado pela quantidade excessiva de atividades que nós temos hoje. Aos 76 anos, ele acredita muito na atividade física como um importante fator para a melhora da qualidade de vida.
 
“Existem vários trabalhos demonstrando que a atividade física nos faz sentir bem, calmos. Você fica mais disposto, embora os problemas continuem os mesmos. Só que você terá outro entendimento, mais disposição para enfrentar os desafios da vida moderna”, concluiu.
 
A psicoterapeuta Rosângela Oliveira, que compareceu à palestra, achou muito interessante o tema. “Muito importante este debate. Aprendi mais sobre como posso ajudar uma pessoa com os sintomas de depressão e ansiedade”, ressaltou.
 
Já o coordenador do evento, Luiz Cavalcante, contou que há cinco meses estava planejando este momento. “Queremos dar uma atenção especial para esta temática que aflige milhões de pessoas no mundo e no Brasil, que está sendo o campeão em casos de depressão e ansiedade. Nós, da Brand Eventos, vamos organizar outros eventos voltados para esta temática”, afirmou.


 
 
 
 

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »
-

Qual dos museus em Belém deveria ser visita obrigatória para qualquer pessoa que queira conhecer mais a cidade?

68.2%
4.5%
0%
9.1%
18.2%