-
14/02/2020 às 08h37min - Atualizada em 14/02/2020 às 08h37min

Jovem de 15 anos lança livro sobre a luta contra o câncer

Por meio de uma história em quadrinhos sobre a sua vida Jerllyson de Oliveira fala do tratamento de câncer infantil

Ascom Pró - Saúde
Com edição do Belém.com.br
Foto: Ascom Pró-Saúde
   
Por meio do projeto Fada Madrinha, Jerllyson de Oliveira, de apenas 15 anos e que desde os oito vive uma verdadeira jornada contra um câncer, lançou o livro "Minha História". O evento aconteceu na tarde desta quinta-feira (13/2) na livraria Saraiva do Shopping Boulevard, com direito a sessão de autógrafos e muitos convidados.

Nos quadrinhos, Jerllyson conta como reagiu ao surgimento dos primeiros sintomas da Leucemia, as primeiras quimioterapias e queda dos cabelos, além das alegrias pelos retornos para casa e os momentos felizes em família.

“É uma história sobre câncer infantil, mas também tem muita fé. Escrever me fez lembrar de tudo que passei até aqui. Ver todas essas pessoas querendo o meu livro é a realização de um sonho. Espero poder ajudar as pessoas de alguma forma, já que muitas crianças também estão passando por tratamentos contra o câncer”, conta o adolescente.

A tarde de lançamento reuniu mais de 100 pessoas na livraria, entre familiares, voluntários, colaboradores do hospital em que Jerllyson é paciente, além de amigos feitos durante o tratamento, como Paulo Henrique (11 anos) e Mateus Silva (9 anos). Para os dois, além do reencontro, a alegria maior foi poder participar do sonho do companheiro de muitas internações, quimioterapias e brincadeiras no hospital. “Estou muito feliz por ele realizar o sonho. É um menino de muita fé que sempre mostrou que não devemos desistir”, contou Mateus Silva.

A história de Jerllyson viralizou nas redes sociais esta semana, depois que sua “mãe de coração”, Cleudilene Souza, surpreendeu o garoto com a entrega de 100 exemplares impressos do livro no hospital. Devido à grande repercussão, uma nova sessão de autógrafos já está marcada. Desta vez, o evento será realizado na próxima segunda-feira (17), às 14h30, na Livraria Leitura do Shopping Pátio Belém.

O Livro - Apaixonado por leitura, por vezes o menino sonhou ser um dos muitos super-heróis que conhece dos filmes e revistinhas. Em uma de suas internações, a biblioteca montada no hospital acabou sendo um refúgio e inspiração para superar o tempo que parecia não passar. Em poucos dias, Jerllyson escreveu os anos de tratamento em algumas páginas.

Depois disso, ele revelou o desejo de ver o material transformado em uma revista em quadrinhos, o que chamaria mais a atenção de outras crianças, mostrando também um outro lado do tratamento contra o câncer.

"Apesar de todas dificuldades que um tratamento contra o câncer pode trazer, durante toda a história ele mostra como viveu até aqui e aproveitou a vida. Esse é objetivo dele com este livro", ressaltou Cleide Louzada, "mãe de coração" de Jerllyson.

Além das lembranças relacionadas à doença, a história também relembra a amizade iniciada ainda na fase inicial do tratamento, com a jovem Eduarda Vitória, filha de Cleide, e como as duas se tornaram sua nova família.

No final, o garoto deixa uma verdadeira lição sobre como a fé e a esperança são necessárias diante das dificuldades. "Espero que essa minha história possa ajudar crianças e adultos de alguma forma", ressaltou Jerllyson.

Fada Madrinha - O sonho de Jerllyson de ajudar pessoas com a própria história chegou ao Hospital Oncológico Infantil pelas mãos de Cleide. As páginas escritas pelo garoto agora fazem parte do projeto Fada Madrinha, que o hospital criou justamente para viabilizar a realização de desejos dos pacientes em tratamento, independente do estágio da doença.

Para o desenvolvimento do projeto, o hospital conta com a participação de voluntários que estejam dispostos a ajudar na realização dos desejos. "Eles serão as fadas madrinhas e os padrinhos encantados que vão nos ajudar a realizar esses sonhos", explicou a diretora hospitalar da unidae, Alba Muniz.

Para a história de Jerllyson, o desenhista e quadrinista paraense Rosinaldo Pinheiro, criador das tirinhas da "Turma do Açaí" é quem assina os desenhos. "Foram dois meses de conversas com a família e com o hospital até chegarmos ao resultado final. Nesse tempo, acabei conhecendo mais a família, o que me deixou feliz e emocionado em poder ilustrar essa linda história", contou Rosinaldo.

Depois, mais voluntários ajudaram a tornar este sonho realidade, com a impressão dos exemplares e a realização dos eventos de lançamento nas livrarias Leitura e Saraiva, presentes nos principais shoppings de Belém. Os 150 primeiros exemplares por exemplo, foram doados pela Gráfica Sagrada Família, que depois fez a impressão de outras 200 unidades doadas por parceiros do Hospital e pela Associação Multidisciplinar de Apoio Renal (AMARENAL).

Luta contra o câncer infantil - De acordo com os dados mais recentes publicados em 2020 pelo Instituto Nacional do Câncer, o número de casos novos de câncer infantojuvenis esperados para o Brasil, para cada ano do triênio 2020-2022, será de aproximadamente 12.500, sendo as leucemias, os tumores do sistema nervoso central e os linfomas, os mais predominantes.

Em um mês com datas importante de luta contra o câncer, como Dia Mundial do Câncer (4/2) e Dia Internacional de Luta contra o Câncer na Infância (15/2), Alba Muniz reforça ainda a necessidade de orientar constantemente a sociedade sobre diagnóstico precoce e tratamento do câncer, bem como a busca de estratégias para a garantia de uma assistência com qualidade aos usuários.

“É um momento importante para chamarmos a atenção da sociedade. Tanto que em cada livro, inserimos um panfleto de orientações sobre o câncer infantil, reforçando orientações sobre sinais, sintomas e principalmente diagnóstico precoce, que pode aumentar as chances de cura em 80%, quando o tratamento é feito em um centro especializado como, por exemplo, o Oncológico Infantil", ressaltou a diretora.

Em 2019, a unidade que é considerada uma das maiores do país no segmento de oncologia pediátrica e referência nas Regiões Norte e Nordeste, registrou 341.440 atendimentos, com média de 97% de aprovação dos usuários. Foram 30.414 sessões de quimioterapia, 20.340 consultas ambulatoriais e de emergência, 207 mil exames, 76 mil atendimentos multiprofissionais e 455 cirurgias

Juntos, os dez hospitais públicos e privados, gerenciados pela Pró-Saúde no Estado do Pará, realizaram em 2019 mais de 3,3 milhões de atendimentos de saúde. O número engloba desde consultas e exames de diagnóstico, até quimioterapias e transplantes, realizados de janeiro a dezembro. Atualmente, cerca de 900 crianças e adolescentes de municípios do Pará e de estados vizinhos, como o Amapá, estão em tratamento na unidade.
Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Você é a favor do isolamento social?

53.7%
45.3%
1.0%
-