01/03/2020 às 14h00min - Atualizada em 01/03/2020 às 14h00min

Zélia Amador ministra aula no Museu Goeldi

Militante do Movimento Negro e do Movimento Feminista Negro, a professora é emérita da Universidade Federal do Pará

Assessoria de Comunicação do Museu Goeldi
Com edição do belem.com.br
Em 2019, Zélia foi uma das escritoras homenageadas na 23ª Feira Pan-Amazônica do Livro e das Multivozes (Foto: Bruno Cecim/ Agência Pará)

Nesta segunda-feira (2), às 9h, no Auditório Alexandre Ferreira, do Parque Zoobotânico do Museu Paraense Emílio Goeldi, será realizada a aula inaugural do Programa de Pós-Graduação em Diversidade Sociocultural (PPGDS), com a participação da professora emérita da Universidade Federal do Pará (UFPA), Zélia Amador de Deus. Com um longo histórico de atuação no Movimento Negro e no Movimento Feminista Negro, Zélia ministra a conferência “Diálogo contemporâneo entre a academia e os movimentos sociais”, na qual abordará sua experiência como docente e militante, destacando como o diálogo entre as duas vivências pode enriquecer o ambiente acadêmico.

Professora da UFPA desde 1978, Zélia Amador ministra, além de outras disciplinas, História da Arte, História e Teoria do Teatro e Estética. Ela é atriz e diretora de teatro, além de pesquisadora e referência no ativismo do Movimento Negro. Sua fala toca em pontos como a existência do racismo na sociedade e as formas de diálogo para combatê-lo. Zélia foi cofundadora do Centro de Estudo e Defesa do Negro no Pará (Cedenpa), na década de 1980. Em 2001, integrou a comissão brasileira na 3ª Conferência contra o racismo da Organização das Nações Unidas (ONU), na África do Sul. Na UFPA, foi vice-reitora (1993-1997), cofundadora do Grupo de Estudos Afro-Amazônicos e coordenadora da Assessoria da Diversidade e Inclusão. Em 2019, foi uma das escritoras homenageadas na 23ª Feira Pan-Amazônica do Livro e das Multivozes.

Diversidade Sociocultural – Com a oferta de uma ampla visão das Ciências Humanas, agregando especialistas de quatro áreas de estudos, acervos e experiências museais significativas da instituição, o Programa de Pós-graduação em Diversidade Sociocultural (PPGDS) do Museu Goeldi dá início à sua segunda turma do curso de mestrado. Foram aprovados e classificados 21 candidatos, que têm até amanhã (28) para efetuar sua matrícula.

O resultado do processo seletivo reafirma a dimensão regional proposta pelo programa. Foram aprovados candidatos do Pará (Belém, Bragança, Santarém, Capanema, Cachoeira do Piriá, Santo Antônio do Tauá e Gurupá), Amapá e Rondônia. Dos 21 candidatos aprovados, nove fazem parte da modalidade ampla concorrência, três da reserva de vagas para pretos e pardos, dois de povos indígenas e sete de comunidades tradicionais.

Os novos estudantes integrarão o programa iniciado em 2019, que conta com 14 alunos em sua primeira turma, também provenientes de várias cidades do Pará e do Amazonas. No ano passado, o antropólogo Gersem José dos Santos Luciano (UFAM), da etnia Baniwa, ministrou a aula inaugural.
 
Serviço | Aula Inaugural do Programa de Pós-graduação em Diversidade Sociocultural (PPGDS)
Conferencista: Profa. Dra. Zélia Amador de Deus (UFPA)
Tema: Diálogo contemporâneo entre a academia e os movimentos sociais.
Data: 2 de março de 2020 (segunda-feira), às 9h.
Local: Auditório Alexandre Rodrigues Ferreira do Parque Zoobotânico. A entrada é pela Travessa da Nove de Janeiro.
 

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »