-
13/05/2020 às 18h16min - Atualizada em 13/05/2020 às 18h16min

Dona Maria da Luz: cem anos iluminando as nossas vidas

Matriarca da família Luz Ferreira chega aos 100 anos e família envia história ao belem.com.br

Equipe belem.com.br
Com edição do belem.com.br
Dona Maria da Luz em uma comemoração em família (Foto: acervo pessoal)
          
Chegar aos 100 anos de vida já é, por si só, motivo para comemorar. Agora, chegar aos 100 anos em tempos de pandemia, é uma vitória ainda maior. É essa, hoje, a dádiva da família Ferreira, cuja matriarca, Maria da Luz Ferreira, completa 100 anos de idade. Claro que os festejos, com toda a família reunida, não estão podendo ocorrer como o desejado, mas o fato de ter a mãe, avó, bisavó e tataravó perto e com saúde já é um presente bem grande, que a família Ferreira faz questão de dividir com o público do belem.com.br.

Nascida em São Domingos do Capim, no interior do Pará, em 1920, a dona Maria da luz, ou vovó Nita, como os netos a chamam, veio ao mundo logo depois da primeira Guerra Mundial, finalizada em 1918, e, também, ainda durante o surto da gripe espanhola, que durou de 1918 a 1920. Vovó Nita passou, então, por essa primeira pandemia sem nenhuma consequência mais grave, felizmente.

Casou-se aos 16 anos com o primo Elízio da Luz Ferreira, que tinha, então, 22 anos. Juntos, tiveram 14 filhos, dos quais apenas seis permanecem vivos. O marido, Elízio, faleceu há cerca de 20 anos. Hoje, além dos filhos, Maria da Luz tem 49 netos, 83 bisnetos e 11 tataranetos, e é a grande alegria da família.

Bastante saudável, Maria da Luz faz questão, até hoje, de tomar banho sozinha e de se alimentar bem, comendo várias porções de frutas ao longo do dia. Segundo a filha, Maria do Carmo Ferreira, com quem Maria da Luz mora, ela é uma pessoa “ativa, sempre alegre, sempre de bom humor e que gosta muito de falar do seu passado, contar histórias”.

Dona Maria da Luz não teve muito estudo, pois, à época, o acesso à escola era bem mais difícil, mas aprendeu a ler e escrever com os próprios pais. A leitura da Bíblia é, até hoje, um dos seus hábitos favoritos. “Lembro de uma história que ela conta que é do dia em que salvou a minha irmã, Maria do Carmo, de um afogamento. A canoa onde elas estavam virou e a Maria do Camo acabou afundando no rio e a mamãe mergulhou e puxou ela pelos cabelos, salvando a sua vida”, lembra o filho Urbano Luz.

Para o neto Edmilson Ferreira, dona Maria da Luz é a principal referência que da família. “Sua história de vida, seu exemplo como mulher, cidadã e, principalmente, sua postura sempre doce e amorosa são marcas fortes de seus 100 anos. Mas, uma característica especial da vovó é a sua fé em Deus. Ela, todos os dias, ora por todos. É impressionante sua cumplicidade e foco no projeto da família”, explica ele, lembrando que a avó é evangélica, da Assembleia de Deus.
 
Segundo a família, ela sempre se refere com muita saudade ao marido Elízio, já falecido. “Hoje, eu gostaria muito de ter a minha família toda perto de mim, mas não foi possível”, lamentou, em vídeo enviado à redação do belem.com.br pela família.
 
Segundo a filha Maria do Carmo, a vovó Nita anda meio aborrecida com a pandemia do novo Coronavírus, que a impede de estar com a família como gostaria. “Ela está sempre falando nos filhos e, agora, com esta pandemia custou a entender porque não vinham visitá-la. Tive que explicar direitinho, mas ela se aborreceu muito com esta situação”, lembra.
 
Para a neta Neide Ferreira, a vovó Nita é um presente para toda a família. “Hoje, vejo minha avó como um anjo de Deus, iluminada e cheia de sabedoria, que agrega um enorme valor à nossa família e à nossa existência. Ela traz nos olhos uma marca genuína de amor e, na pele, as marcas de uma vida de sacrifícios,  é a prova viva de que as feridas se tornam cicatrizes de vitória se tivermos fé em Deus. O que acho de mais marcante e admirável nela é a fé inabalável. Maria da Luz é forte”, resume a neta.
 
Para outra neta, Nilda Ferreira, a dona Maria da Luz foi a mãe que ela não pode ter. “Para quem só teve sua mãe até aos seis anos de idade, ter uma avó centenária é maravilhoso. Foi ela quem ajudou meu pai a cuidar de mim e de meus irmãos. E, de todos os seus ensinamentos, o mais valioso foi o de amar a Deus sobre todas as coisas”, finaliza.


 

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »
-

Qual ‘brega marcante’ mais representa esse ritmo musical em Belém?

10.1%
2.8%
2.7%
2.4%
4.6%
14.3%
1.4%
3.1%
1.0%
57.6%