-
19/10/2020 às 16h00min - Atualizada em 19/10/2020 às 16h00min

Festival Jambu Live inicia nesta sexta (23), com mais de 50 artistas

Evento vai ajudar os artistas locais neste período de pandemia

Ascom UFPA
Com edição do Belém.com.br
Carimbó, samba, MPB e melody estão garantidos na programação. (Foto: Reprodução)
     
Música, dança, teatro e cultura paraense para assistir sem sair de casa! Essa é a proposta do Festival Jambu Live, que começa nesta seta-feira, 23 de outubro. Serão mais de 60 espetáculos ao vivo, garantindo entretenimento e incentivo aos artistas locais neste período de pandemia. Para acompanhá-los, basta se inscrever no
canal oficial do festival.

A iniciativa é resultado de um projeto de extensão da Faculdade de Comunicação da Universidade Federal do Pará. Para a coordenadora professora Regina Lima, é um orgulho ver um projeto de extensão tão grande que nasceu na universidade alcançar tantas pessoas.

Jambu Live

Carimbó, samba, MPB, melody, entre outros ritmos populares na nossa região estão garantidos na programação que teve curadoria da cantora Alba Mariah. Artistas com anos de carreira, como Adamor do Bandolim, Joelma Kláudia, Sammliz e Trio Manari, unem-se aos novos nomes da música feita no Pará, como Keila, Jeff Moraes, Nanna Reis e o grupo Carimbó Cobra Venenosa, em uma super programação, com mais de 50 artistas.

A cantora Sammliz realizará a sua primeira live neste período de pandemia, pois não se sentiu bem com as diversas perdas que aconteceram no decorrer do ano. Para o Festival, a cantora conta que tocar é sempre uma experiência nova. “Toda forma de tocar, seja em casa, sozinha, entre amigos, apresentação virtual, para uma multidão, traz sentimentos queridos, intensos e variados. Afinal, é o que somos e amamos fazer. É sempre uma aventura nova”, afirma.
 
Já Priscila Duque, líder e vocalista do Carimbó Cobra Venenosa, ressalta a importância dos festivais on-line no período de pandemia para fortalecer financeiramente os artistas e os agentes de multiplicação cultural locais. “Um festival como esse que consegue pagar um cachê razoável aos artistas, potencializar visibilidade e dispor de uma infraestrutura de qualidade para uma apresentação que entregue um bom show é fundamental”, afirma.

Priscila conta que o show trará diversas novidades criativas e interativas com o ambiente digital. Além dos mais de 50 espetáculos musicais, o festival selecionou 15 grupos de artes cênicas para também realizarem apresentações. O objetivo foi também valorizar diferentes tipos de artistas da região. Entre as apresentações, estão peças teatrais, dança e performances.

Diverso e plural

Segundo a curadora de artes cênicas do festival, Ana Flávia Mendes, a pluralidade cultural, artística e de gênero será uma das principais características dessas apresentações. “Fizemos uma seleção de trabalhos considerando como principal critério a diversidade de linguagens e representatividade na área, procurando dar espaço a grupos de diferentes origens, entre artistas já consolidados e outros em ascensão no cenário local”, afirma.

Ana Flávia reitera que a diversidade se dará também nos diversos estilos dos grupos. “A diversidade será a maior marca. Neste sentido, teremos trabalhos de dança de salão, hip-hop, dança contemporânea, teatro com bonecos, clown, teatro experimental, contação de histórias, entre outros, procurando mostrar a amplitude do fazer cênico em nossa cidade, com a maior qualidade possível”, conclui.

Para acompanhar as novidades, você pode seguir o Jambu nas
redes sociais.

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »
-

Qual ‘brega marcante’ mais representa esse ritmo musical em Belém?

10.2%
2.9%
2.7%
2.4%
4.5%
14.2%
1.4%
3.1%
1.0%
57.7%