-
20/11/2020 às 14h00min - Atualizada em 20/11/2020 às 14h00min

Projeto 'Ela Pode' tem como objetivo capacitar 2 mil mulheres

As ações do projeto são desenvolvidas em Belém, Ananindeua e Marituba

Da redação do Belém.com.br
Paula Rosa multiplicadora do Ela Pode falando sobre Liderança durante a capacitação. (Foto: Reprodução)
     
A necessidade de falar sobre autonomia e empreendedorismo feminino na região norte foi o que motivou a criação do “Ela Pode”. O projeto atua em sete bairros distribuídos pelos municípios de Belém, Ananindeua e Marituba e tem como objetivo capacitar duas mil mulheres até fevereiro de 2021.

Coordenado pelas empreendedoras Jana Borghi e Helen Gonçalves, o “Ela Pode” tem como público-alvo um segmento com bastante expressividade nos bairros da cidades. “São as mulheres chefes de família que estão à frente de seus negócios, motivadas principalmente pela necessidade de geração de renda. Então, o “Ela Pode” traz essa conexão ao estimular a busca dessa autonomia e a construção do conhecimento empreendedor”, explica Helen Gonçalves. 

Pessoas, coletivos e organizações que atuem nos bairros da Cabanagem, Guamá, Terra Firme, Icuí Guajará, Benguí, Jurunas e Nova União podem solicitar os serviços do projeto “Ela Pode” por meio dos seguintes contatos: comunicaelapode@gmail.com ou whatsapp (91) 98437-6798.

Sobre as capacitações 
 

As capacitações são totalmente gratuitas e ocorrem em dois dias, com carga horária de 16h. Durante a ação são trabalhadas as temáticas de assertividade, liderança, redes de relacionamento, finanças e ferramentas digitais relacionando essas temáticas à realidade e vivências das mulheres.

É um momento de aprendizagem na qual as mulheres, ao refletir sobre os tópicos apresentados, têm a oportunidade de se conhecerem mais e entenderem os caminhos para desenvolver o próprio negócio e/ou atividade profissional. A capacitação também é um momento de troca e escuta entre as participantes do projeto.

“Ao longo da capacitação nós fomentamos esse empreendedorismo dentro dos bairros, porque elas têm a oportunidade de criar essa rede de contatos entre si e estimular a economia dentro do próprio bairro. Além da possibilidade de crescimento pessoal, na medida em que passam a enxergar referências e compartilhar experiências de vida entre si”, afirma a gerente administrativa Helen Gonçalves.

O “Ela Pode” conta com apoio da Fundação de Amparo e Desenvolvimento da Pesquisa (Fadesp), com financiamento da Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Educação Superior, Profissional e Tecnológica (Sectet), em parceria com o TerPaz.

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »
-

Qual ‘brega marcante’ mais representa esse ritmo musical em Belém?

10.0%
2.8%
2.7%
2.4%
4.6%
14.2%
1.5%
3.1%
1.0%
57.7%