-
31/12/2020 às 16h00min - Atualizada em 31/12/2020 às 16h00min

Saiba como amenizar stress de cães e gatos nas festas de fim de ano

Médica veterinária orienta como acalmar os animais durante os fogos de artifício da virada

Ascom Ufra
Com edição do Belém.com.br
Tanto os cães quanto os gatos têm uma audição muito mais sensível que a dos humanos e ambos sofrem com o barulho dos fogos de artifício. (Foto: Glomad)
    
Comemorações de final de ano sempre trazem alguns problemas já conhecidos por tutores de animais, sendo um dos principais é o barulho ocasionado por quem costuma soltar fogos de artifício. “Em decorrência do stress com o barulho, o animal pode apresentar vômito, diarreia, tremores, falta de ar. E se tiverem outras patologias concomitantes, como problemas neurológicos e cardíacos, podem ter complicações mais sérias, como convulsões e até parada cardíaca”, alerta a professora Fernanda Martins, médica veterinária na Universidade Federal Rural da Amazônia (Ufra).

Segundo a professora, tanto os cães quanto os gatos têm uma audição muito mais sensível que a dos humanos, e ambos sofrem com o barulho dos fogos de artifício. Eles também  são capazes de mover as orelhas em direção ao som e captá-lo com mais intensidade e precisão.

“Os gatos têm melhor audição e são predadores muito eficientes, mas geralmente reagem aos fogos procurando um abrigo seguro e não ficando com os humanos, por isso parece que sofrem menos. Já os cães procuram ficar com seu grupo familiar e notamos mais seu desconforto. No processo de domesticação, os cães foram com frequência selecionados para dar alarme em caso de perigo, portanto reagir a um barulho ameaçador é natural”, diz.

Mas há formas de tentar amenizar essas situações, para que o animal sinta o mínimo de transtorno. A médica veterinária sugere que os donos sempre tentem mudar o foco de atenção, e tentem não reforçar o medo do animal, agindo de forma muito diferente do dia-a-dia. Ela explica que os cães são animais sociais e seria melhor não deixá-los sozinhos nesse momento, pois vão ficar muito ansiosos. 

"É importante para eles perceberem que o grupo está em segurança e não em uma situação ameaçadora. A tendência da família é colocar no colo e fazer carinho, e estas são reações que podem reforçar o medo que ele está sentindo como sendo real. O ideal é tentar agir com naturalidade, tentar chamar atenção para outras coisas, um jogo, uma brincadeira, alguma atividade. Já para os gatos, é importante deixá-los em um lugar que possam se sentir bem abrigados, seguros, e que o barulho possa ser menor”, diz.

A professora também dá outras dicas:  

Evitar proximidade com objetos cortantes e coleiras: “Com o barulho os animais se assustam muito e às vezes saem em disparada. É comum derrubarem copos, e objetos e podem se cortar e se machucar. Se estiverem presos em coleiras ou guias podem se agitar, se enrolar e ter o risco de enforcamento e há aqueles que fogem, ficam presos nas grades, portões ou vão pra rua no momento de desespero”. 

Abrigo: “É importante providenciar um lugar seguro para o animal se abrigar, mostrar para eles esse lugar antes, pode ser uma caixa transporte com cobertores, um lugar mais fechado, um banheiro, e antes de começarem os fogos mostrar pra eles como ir até esse lugar, deixar a rota liberada para chegarem até lá”. 

Tampões de ouvido/algodão: “Existem alguns tampões de ouvido específicos para animais, mas um pouco de algodão também pode ajudar, porém precisa ser colocado somente quando forem começar os fogos, porque se for antes ele vai tirar”. 

Feromônios: “São substâncias que podem ser usadas como spray, e tem efeito de acalmar, tranquilizar os animais”.

Treinamento

A professora Fernanda Martins diz que há, também, meios de tornar o animal menos sensível aos barulhos, mas é um trabalho que exige cuidado e precisa ser gradativo, tendo melhores resultados quando esse “treinamento” ocorre quando eles ainda são filhotes, e sendo feito gradualmente. “É o que chamamos de dessensibilização. Nós podemos gravar esses barulhos, e colocá-los em volumes mais baixos, enquanto isso fazer coisas agradáveis a eles, como brincar, alimentar e várias coisas que os animais gostem, de forma que o barulho fique com pano de fundo e eles não prestem tanta atenção. Com o passar do tempo ir aumentando o volume desses barulhos, e ir mudando o foco deles para outras coisas”, finaliza.
    

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »
-

Qual ‘brega marcante’ mais representa esse ritmo musical em Belém?

9.4%
2.9%
3.0%
2.1%
5.2%
13.8%
1.5%
2.6%
1.1%
58.5%