-
02/10/2019 às 10h08min - Atualizada em 02/10/2019 às 10h08min

Museu Goeldi celebra 153 anos com novidades para o público

Uma das novidades é a reforma do Aquário Jacques Huber

Portal Belém
Assessoria de Comunicação do Goeldi
A programação de aniversário do MPEG inclui diversos eventos (Foto: MPEG)
No próximo domingo (06), o Museu Paraense Emílio Goeldi (MPEG) completa 153 anos de existência cheio de novidades. A mais aguardada pelo público é a volta do Aquário Jacques Huber, que reabre reformado após permanecer fechado por quatro meses. No período de adequações, que incluíram a melhoria na acústica do ambiente e a construção de setores extras para maternidade, enfermaria e quarentena, o aquário público mais antigo do Brasil traz cinco novas espécies para o público conhecer e uma surpresa - a exposição "Baleia à vista". A nova exibição brindará os visitantes com informações de cinco das espécies de baleias que ocorrem na Zona Costeira da Amazônia.

Além das atrações do Aquário, a programação de aniversário do MPEG inclui a realização da Bioblitz Amazônia no Parque Estadual do Utinga, a apresentação dos criadores da loja do Café do Museu Goeldi reunidos na feira Amazônia Inspira, as animações do Programa Natureza e fatias especiais do Bolo de Flores.

Uma demanda antiga dos visitantes do Museu Goeldi também está no cardápio de ações comemorativas pelo aniversário da instituição - a renovação e padronização da sinalização do Parque Zoobotânico, que terá sua primeira parte implantada em outubro e inclui a reforma do aquário, a exposição Baleia à Vista e a criação da nova marca do Museu Goeldi, lançada em junho deste ano. Tudo isso só foi possível com o investimento da Equatorial Energia Celpa e o apoio do Instituto Peabiru.

A iniciativa da Celpa no MPEG faz parte do Projeto Celpa Mais Desenvolvimento Social, que também beneficia outras instituições em várias cidades do Estado. No Parque Zoobotânico do Goeldi, o investimento da empresa ficou em cerca de R$ 500 mil.
A celebração do aniversário do Museu Goeldi tem início na sexta-feira (04), quando será apresentada a nova sinalização do Parque Zoobotânico da instituição, reaberto o Aquário e inaugurada a exposição.

Programação – No sábado (05) e domingo (06), com recursos da National Geographic, pesquisadores e educadores do Museu Goeldi, Universidade Federal do Pará, Ideflor-Bio, Parque Estadual do Utinga, Grupo de Estudos de Artrópodes da Amazônia e Document Threatened Species (DoTs), realizam a Bioblitz, projeto global de incentivo à ciência cidadã e que ocorre pela primeira vez na região amazônica. Mais de 50 alunos do Ensino Fundamental II, acompanhados por pesquisadores, educadores, familiares e responsáveis, irão mapear a maior quantidade possível de espécies da flora, fauna e fungos do Parque Estadual do Utinga. Neste trabalho irão contar com o auxílio do aplicativo para smartphone iNaturalist.

O termo “BioBlitz” foi proposto por Susan Rudy naturalista e funcionária do Serviço Nacional de Parques dos Estados Unidos. E foi naquele país, em 1996, que ocorreu o primeiro “BioBlitz”, quando aproximadamente 1.000 espécies foram identificadas juntamente com a comunidade local.  O sucesso do evento inspirou muitas organizações ao redor do mundo como uma forma dinâmica de estimular a curiosidade e o interesse pela biodiversidade e o desejo de proteger o planeta.

Quem visitar o Parque Zoobotânico do Museu Goeldi no fim de semana (5 e 6/10), no horário das 9h às 14h tem a oportunidade de conferir a criatividade dos empreendedores da loja do Café do Museu na Feira Amazônia Inspira. Participarão 9 artesãos de Belém e do interior paraense, bem como os índios Warao, que terão ali a oportunidade de fazer contato direto com o público - o diálogo entre produtores e consumidores agrega valor e conhecimento ao possibilitar o entendimento sobre o trabalho manual realizado pelos artistas.

Na feira, o público poderá encontrar as belas joias e acessórios da Yemara Ateliê, KDesign, Trama Acessórios e Leuan Monteiro Jóias; desenhos inspirados na cultura amazônica das ilustradoras Tayná Cardel e Fabiola Mescouto, que produzem também itens de decoração e artigos de papelaria; sandálias, camisetas e peças decorativas dos Encauchados da Amazônia; as roupas descoladas da Arte Papa Xibé e ainda o belo artesanato dos índios Warao.

Ainda no domingo (06), data de fundação do Museu Goeldi, as atividades lúdicas estão sob responsabilidade do Macaco Ximbica que, junto com a sua turma, comanda o Programa Natureza. Com eles, os visitantes poderão se divertir com encenações teatrais, jogos, entre outras atividades, que visam estimular o ensino da ciência de forma lúdica. A programação de aniversário encerra com os parabéns ao Museu Goeldi ao redor de um bolo de flores, composto por mudas que os visitantes poderão levar para casa, como lembrança do dia especial.

Museu Goeldi – O Museu Paraense Emílio Goeldi (MPEG) é o primeiro projeto nacional de estudo científico da Amazônia, e segundo museu de história natural mais antigo do Brasil. Fundado em 1866 por Domingos Soares Ferreira Penna, as pesquisas da instituição têm, ao longo dos anos, servido de apoio para gestores das três esferas, comunidades e empresas.
Vinculado ao Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações do Brasil (MCTIC), o MPEG possui quatro bases físicas: o Parque Zoobotânico, localizado no bairro de São Brás, o Campus de Pesquisa, na avenida Perimetral, a Estação Científica Ferreira Penna, implantada desde 1993 na Floresta Nacional de Caxiuanã, no município de Melgaço, Pará. Desde 2013, o Museu Goeldi conta também com o Campus Avançado do Pantanal, em Cuiabá (MT).

Aquário – O Aquário Jacques Huber é o mais antigo aquário público do Brasil. Inaugurado em 1911, concebido pelo botânico suíço Jacques Huber (1867-1914), na época diretor do Museu, e pelo desenhista alemão Ernst Lohse (1873-1930), o espaço exibe espécies amazônicas e desde a sua inauguração, o aquário é uma das grandes atrações do Parque Zoobotânico do Museu Goeldi, sendo um espaço de grande fluxo de visitantes.

Confira a programação completa de aniversário do Museu aqui. 

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »
-

Qual ‘brega marcante’ mais representa esse ritmo musical em Belém?

10.0%
2.8%
2.7%
2.4%
4.6%
14.2%
1.5%
3.1%
1.0%
57.8%