-
27/03/2020 às 13h30min - Atualizada em 27/03/2020 às 13h30min

Endometriose afeta cerca de sete milhões de mulheres no Brasil

Março é o mês de conscientização da doença, que afeta a qualidade de vida das mulheres e pode causar infertilidade

Assessoria de Comunicação da Pró - saúde
Com edição do belem.com.br
A cólica menstrual quando muito intensa é um sinal de alerta e deve ser investigada (Foto: Freepik)
    
Março está acabando, mas não custa lembrar que este tambem é marcado como o mês da Conscientização Mundial da Endometriose. O Março Amarelo tem como principal objetivo alertar as mulheres sobre a doença.

Trata-se de uma inflamação crônica caracterizada pelo crescimento do tecido que reveste a cavidade uterina em outras partes do organismo, como ovários, ligamentos uterinos, bexiga e intestino, que pode atingir áreas como o pulmão.

Entre os sintomas da endometriose estão: dor pélvica contínua com piora no período menstrual, dor durante a relação sexual, dor ao urinar, ao evacuar ou ao enchimento vesical, constipação intestinal e diarreia no período menstrual.

No Brasil, a doença afeta cerca de sete milhões de mulheres, segundo a Associação Brasileira de Endometriose (SBE). Em todo o mundo, de acordo com a World Endometriosis Research Foundation, entidade que atua na pesquisa e tratamento e com presença em mais de 30 países, a endometriose atinge cerca de 176 milhões de mulheres.

A cólica menstrual quando muito intensa é um sinal de alerta e deve ser investigada.

“Na maioria dos casos, a endometriose se manifesta com fortes cólicas pélvicas, que ocorrem geralmente durante o período menstrual. Com a evolução da doença, o incômodo pode acontecer durante o mês inteiro. Cólicas leves à moderadas no período menstrual, geralmente são comuns. Quando se percebe que a intensidade das cólicas aumenta a cada ciclo, já é um sinal de alerta”, orienta a ginecologista Oskarla Santana, que atua pela Pró-Saúde no Hospital Yutaka Takeda, em Parauapebas, no Pará.

A profissional ressalta que as complicações da endometriose podem atrapalhar os planos de mulheres que sonham em engravidar. “Nos casos mais graves, a infertilidade pode ser uma das consequências, pois o processo inflamatório pode levar a formação de aderências, que resultam na obstrução das tubas uterinas e ovários”, explica.

Diagnóstico e tratamento

Como pode haver uma dificuldade na descoberta da doença - ainda hoje, a média estimada do tempo entre o início dos sintomas até o diagnóstico definitivo é de aproximadamente 7 anos - diante da suspeita, o exame ginecológico clínico deve ser realizado, seguido de exames como ultrassom endovaginal e ressonância magnética.

A visualização das lesões por laparoscopia, é padrão-ouro para o diagnóstico. As pacientes diagnosticadas com endometriose devem realizar tratamento clínico para alívio dos sintomas, com o uso de medicamentos para controlar a dor e minimizar a progressão da doença.

A endometriose afeta a qualidade de vida das mulheres devido ao quadro álgico que pode se tornar cada vez mais intenso e, por vezes, incapacitante no período menstrual, prejudicando a rotina que pode envolver estudos, trabalho, lazer e até a vida conjugal.

Em casos mais graves, é aconselhado o método cirúrgico, para retirar as áreas afetadas pela endometriose, ou a cirurgia de histerectomia, nas situações agudas. “A cirurgia é o método mais efetivo para combater a doença e pode ser feita por videolaparoscopia, sendo minimamente invasiva e muito eficaz”, ressalta a Oskarla.

Tipos de endometriose

A endometriose pode se apresentar em seis tipos diferentes:

Endometriose superficial: normalmente atinge mais o peritônio - tecido que recobre internamente os órgãos da cavidade abdominal e pélvica;

- Endometriose no ovário: acomete os ovários, sendo principalmente ocasionada pela formação de cistos com um conteúdo sanguinolento dentro do ovário;

- Endometriose profunda: forma mais agressiva da doença, caracterizada por focos de endometriose nos ligamentos uterinos, sigmóide e septo retovaginal, podendo atingir também a bexiga e os ureteres;

- Endometriose de parede: que acomete a parede abdominal, notadamente em áreas submetidas previamente à cirurgia, como cesarianas;

- Endometriose pulmonar: forma bastante rara da doença, que ocorre quando o tecido endometrial responsivo aos hormônios através da corrente sanguínea se desenvolve na região pulmonar;

- Endometriose peritoneal: tipo mais comum da doença, que afeta o tecido que recobre os órgãos da região abdominal, causando dores intensas no abdome e na região lombar.
      

 

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »
-

Qual ‘brega marcante’ mais representa esse ritmo musical em Belém?

10.2%
2.9%
2.5%
2.3%
4.7%
14.1%
1.4%
3.0%
1.1%
57.9%