-
31/10/2019 às 15h25min - Atualizada em 01/11/2019 às 08h31min

Cachorra tetraplégica volta a caminhar com tratamento de última geração

Linda é uma cachorrinha que por uma doença grave ficou tetraplégica e que após o tratamento veterinário teve uma emocionante história de superação.

DINO
http://www.mundoaparte.com.br
Linda - cão tetraplégico


A paralisia em um, dois ou até mesmo os quatro membros é muito comum de ocorrer nos cães, e as causas podem ser muito variadas. Nesta reportagem você vai conferir qual a principal causa que pode levar o seu animal de estimação à perda de movimento nas patinhas.

A principal doença que faz os cães paralisarem os membros é a hérnia de disco. Foi o que aconteceu com a Linda, uma vira-lata pra lá de especial. Ela chegou para uma consulta na unidade Mundo à Parte de Ribeirão Preto (SP) com uma tetraplegia grave. A médica veterinária especialista em fisiatria Vitória Chies relatou que na avaliação da Linda ela apresentava muita dor na região cervical, dificuldade para latir e dificuldade para urinar. Além disso, as quatro patinhas estavam muito enrijecidas e com perda de movimento, fazendo com que a Linda não conseguisse caminhar. A médica veterinária especialista Jennifer Hummel, diretora da Mundo à Parte, explica que “como a hérnia de disco comprime a medula espinhal, vários nervos são danificados e deixam de responder corretamente. Por essa razão a Linda perdeu o movimento das patinhas, diminuiu a capacidade de latir e também a de urinar. Em muitos casos a cirurgia se faz necessária para que haja o retorno das funções normais do paciente.”

A Linda começou o tratamento de fisioterapia veterinária com o objetivo de aliviar a dor que ela sentia no pescoço e retornar o movimento dos membros e sua voz. No entanto, a infecção urinária progrediu e teve que ser internada para o tratamento clínico. A Dra. Vitória explica que uma sonda teve que ser utilizada durante três dias para que a bexiga pudesse se manter vazia e curar a infecção grave. Durante o período de internação a fisioterapia hospitalar continuou sendo realizada, o que possibilitou um quadro de alívio na dor cervical e melhor desempenho na movimentação do pescoço.

Após a estabilização do quadro infeccioso, Linda estava apta a realizar a cirurgia para descomprimir a medula espinhal cervical, e após algumas horas de cirurgia, Linda voltou para a internação e recuperação. Nos dias que se seguiram, a fisioterapia passou a ser rotina na semana de Linda. Frequentou a Mundo à Parte duas vezes na semana por quatro meses. Cada semana era uma novidade no tratamento. Primeiro conseguiu virar e ficar na posição de esfinge sozinha, depois ensaiava se arrastrar, começou a treinar ficar em pé sozinha e dar seus “primeiros passos”! Foi na praça, em meio ao gramado que ela tanto gosta que ela conseguiu! Foram os primeiros passos de uma longa luta e os diversos sorrisos arrancados do rosto de todos os envolvidos nessa recuperação fantástica!

Para Jennifer “não há sentimento igual no mundo que a alegria imensa e satisfação pessoal em poder fazer um animal de estimação voltar a andar. Esses membros tão amados da família merecem o melhor tratamento. Foi por isso que meu sócio e eu criamos a Mundo à Parte, para poder levar nosso conhecimento aos médicos veterinários fisiatrias em todo o Brasil e também um atendimento de qualidade para todos esses bichinhos em todo o território nacional!”. 

Assista o vídeo da a emocionante história e recuperação da Linda  

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
-

Qual ‘brega marcante’ mais representa esse ritmo musical em Belém?

9.9%
2.8%
2.7%
2.2%
4.6%
14.4%
1.5%
3.2%
1.1%
57.5%