-
-
25/09/2019 às 16h15min - Atualizada em 25/09/2019 às 16h15min

Carlos Saura ganha mostra no Cine Olympia

O diretor terá seis filmes exibidos no evento, com entrada gratuita

Portal Belém
Agência Belém
O bailarino de dança flamenga Antonio Gades participa de alguns filmes de Saura (Foto: Agência Belém/Reprodução/Internet)

Carlos Saura é um dos diretores espanhóis mais conhecidos e celebrados no cinema mundial. O trabalho de Saura se expressa por meio de filmes que combateram a ditadura do governo Francisco Franco, e procurar manter as tradições das danças e músicas espanholas sempre em voga. Em uma forma de homenagem a esse diretor, o Cinema Olympia exibe uma mostra de filmes dirigidos por ele, desta quinta-feira, 26, a quarta-feira, 2 de outubro. A entrada é gratuita.  

Saura nasceu em 4 de janeiro de 1932, na aldeia de Huesca, e é considerado uma das mentes mais brilhantes da Sétima Arte, sendo vencedor de vários prêmios em festivais de cinema ao redor de mundo.

Na mostra serão mostrados seis filmes de Saura, que serão exibidos de terça à sexta-feira, às 18h30, e aos sábados, domingos e feriados, às 16h30.
Programação - Os filmes que constituem a mostra são “Ana e os Lobos” (no dia 26); “Mamãe faz 100 Anos” (no dia 27); “Cría Cuervos” (no dia 28); “Bodas de Sangue” (no dia 29); “Carmen” (dia 1º de outubro) e “Elisa, Minha Vida” (dia 2 de outubro).

“Ana e os Lobos” - O primeiro filme da Mostra Carlos Saura é “Ana e os Lobos”, filme de 1973. A história mostra Ana (Geraldine Chaplin) chegando para trabalhar como governanta em uma mansão isolada, no campo da Espanha. A família que a recebe é formada por uma mãe dominadora e seus três filhos: João, que logo começa a enviar cartas eróticas para Ana; José, obcecado por armas e segurança; e Fernando, vítima de arrebatamentos místicos.

O filme é uma metáfora, na qual a mãe - envelhecida e doente - representa a própria Espanha e os filhos são as ações que oprimem os moradores do País, como o sexo, o poder militar e a igreja.  

“Mamãe faz 100 Anos” - Na sexta-feira, 27, o cartaz é para “Mamãe faz 100 Anos”, filme de 1979. O filme narra uma reunião para comemorar o aniversário de 100 anos da matriarca de uma tradicional família espanhola (Rafaela Aparício). Os três filhos da senhora começam a tramar o assassinato da anciã, tudo para colocar as mãos na gorda recompensa do seguro de vida e da herança da inocente senhora. A história funciona como uma espécie de continuação de “Ana e os Lobos”, inclusive, trazendo de volta o personagem do filme de 1973.

“Cría Cuervos” - O filme que será exibido no sábado, 28, é “Cría Cuervos”, produção de 1976. A trama traz Ana (Geraldine Chaplin), uma mulher de tristes lembranças. Duas décadas antes, quando tinha nove anos, ela acreditava ter em suas mãos um misterioso poder sobre a vida e a morte de seus familiares. Assim, teria causado a morte inesperada do pai, o militar franquista Anselmo (Héctor Alterio), logo após o doloroso martírio da mãe.

“Cría Cuervos” foi o vencedor do Grande Prêmio do Júri no Festival de Cannes de 1976, empatado com “A Marquesa d'O”, direção de Eric Rohmer. O filme também ficou marcado pela canção “Porque te Vas”, interpretada pela cantora Jeanette. Outra curiosidade é que o título do filme remete a um conhecido ditado espanhol que versa sobre “Cría cuervos y te sacarán los ojos” (crie corvos e eles sacarão teus olhos), mostram o quanto as pessoas podem ser ingratas.
“Bodas de Sangue” - No domingo, 29, exibição do filme “Bodas de Sangue”, produção de 1981. O bailarino de dança flamenga Antonio Gades é responsável por uma companhia de dança que está realizando a adaptação de uma obra do poeta Federico García Lorca. Os ensaios, entretanto, revelarão situações mais importantes que a própria apresentação final.

“Carmen” - Na terça-feira, 1º, será exibido o filme “Carmen”, de 1983. “Carmen” apresenta a trajetória de um grupo de dançarinos flamencos que prepara uma versão da ópera “Carmen”, do compositor francês Georges Bizet. A trama é construída durante os ensaios da ópera homônima, tendo como pano de fundo a Espanha dos anos 80. A jovem dançarina Carmen (Laura Del Sol) disputa com Cristina (Cristina Hoyos) o papel principal do espetáculo, mas durante os ensaios, o coreógrafo (Antonio Gades) se apaixona por Carmen e começa a agir de forma obcecada, como o personagem que interpreta na adaptação.
O romance do casal se confunde com a história original de Bizet. Os acontecimentos da peça, o amor, ciúme, ódio e tragédia, vão se transformando em realidade nas vidas dos dançarinos. “Carmen” é um dos filmes mais conhecidos de Carlos Saura e recebeu o Prêmio de Melhor Contribuição Artística no Festival de Cannes de 1983.

“Elisa, Minha Vida” - Encerrando a Mostra Carlos Saura, na quarta-feira, dia 2, será exibido “Elisa, Minha Vida”, filme de 1977. A trama mostra Elisa (Geraldine Chaplin) não vê Luís, seu pai, há nove anos. Um dia, ela recebe um comunicado sobre a saúde debilitada dele. Ela decide visitá-lo na casa dele e passar uns dias ao seu lado. Ao encarar o passado, a jovem vai ser obrigada a reviver lembranças duras do passado que a acompanham até hoje.
Serviço: A programação do Cinema Olympia é realizada de terça à sexta-feira, às 18h30, e aos sábados, domingos e feriados, às 16h30. Entrada gratuita.
Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Você é a favor do isolamento social?

52.4%
46.9%
0.7%
-
-
-