-
06/12/2019 às 09h00min - Atualizada em 06/12/2019 às 09h00min

Rio Maria quer ser polo produtor de cacau

O município tem grande interesse em produzir o fruto aproveitando as áreas de 16 assentamentos rurais

Jornalista do belem.com.br
Selma Amaral
A ideia da gestão municipal é colocar Rio Maria na rota do comércio das amêndoas, a partir de 2020 (Foto: Sidney Oliveira/ Agência Pará)
   
A Secretaria Municipal de Agricultura de Rio Maria está se organizando juridicamente, após ser desmembrada da pasta da Infraestrutura, e suas primeiras ações se voltam ao mercado promissor do cacau. A ideia é se juntar aos municípios que estão despontando na produção cacaueira paraense e fazer parte da rota do comércio das amêndoas, a partir de 2020.
 
O município objetiva distribuir as primeiras sementes para 80 famílias moradoras de assentamentos rurais que estão interessadas no negócio. Segundo o secretário Eurípedes Bessa, já houve um primeiro encontro no município de Tucumã, onde os futuros produtores conheceram as roças de cacau e dialogaram sobre criação de cooperativas e destinação final da produção.
 
O trabalho está sendo realizado em parceria com o governo do Estado, por meio da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Agropecuário e da Pesca (Sedap) e a Comissão Executiva do Plano da Lavoura Cacaueira (Ceplac).
 
O plantio de cacau em Rio Maria está se iniciando, mas quer ganhar força, seguindo a tendência de mercado. O Pará é o maior produtor de amêndoas do País com 117 mil toneladas, de acordo com censo agrícola de 2016, numa área plantada de 170 mil hectares. Os municípios com maior expressão estão na região da Transamazônica e do Baixo Tocantins. Na região Sul do Pará, o município de Rio Maria tem grande interesse em produzir o fruto aproveitando as áreas de 16 assentamentos rurais, onde vivem cerca de 800 famílias regularmente assentadas.
 
Piscicultura – O cacau irá se unir à outras culturas nas áreas de assentamento. Este ano, o prefeito Paulo Barros, o Paulinho, incentivou a construção de tanques e represas para criatórios de peixes num ciclo de produção de sete meses para as espécies tilápias e tambaquis. Mais de cem famílias estão envolvidas nos projetos dos criatórios da psicultura. Para os alimentos caseiros derivados do leite, produto que existe em abundância na região devido ao rebanho da pecuária que alcança o número de 400 mil cabeças de gado, a Secretaria de Agricultura promoveu curso de capacitação para os pequenos produtores. “Esse curso de produtos derivados do leite é importante para o aproveitamento da produção leiteira, que de vido à distância do centro comprador, em alguns casos, acaba estragando”, lembra o secretário.
 
Leite – O último curso de produtos derivados do leite foi realizado no mês de novembro na área do Projeto de Assentamento Escalada do Norte (Juliane área Jatobá), envolvendo mais de quinze pequenos produtores rurais. O curso é realizado em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizado Rural (Senar) e a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Agropecuário e da Pesca (Sedap).
 
Os produtos caseiros mais comuns são queijos tipo mussarela, doce de leite simples ou misturado com amendoim, bebida láctea fermentada, pães e outras delícias que os pequenos produtores vão poder comercializar e ajudar na renda familiar. Para o presidente da Associação de Produtoras e Produtores do PA Escalada do Norte Raimundo Ferreira Neto, o “Neto”, a região necessita muito do apoio público para se desenvolver economicamente e socialmente.
“A maioria aqui dos pequenos produtores só tem trabalho da roça, então aprender e produzir alimentos diferenciados com valor de mercado é muito bom”, disse o presidente da Associação.
 
Fruticultura – Em 2020, a oferta de cursos deve aumentar, segundo informações do secretário Bessa. Na agenda estão as áreas de inseminação artificial, doma de animal, agricultura e psicultura. Também em 2020 será realizado o projeto “Fundo de Quintal” que vai reforçar o cinturão frutífero de Rio Maria. A expectativa da prefeitura é utilizar a produção para fabricação de polpas de abacaxi, goiaba, acerola, manga, cupuaçu entre outras e agregar valor ao comércio de frutas que ainda é pequeno.
 
Hortaliças – A Prefeitura de Rio Maria quer ainda incentivar a produção de hortaliças e produtos derivados do leite para dobrar o uso no cardápio da merenda escolar. O município de Rio Maria já tem tradição na pecuária de corte com rebanho de 400 mil animais, número que ajuda a abastecer grandes centros consumidores de regiões paraenses e brasileiras, além do exterior. A expansão agrícola é uma alternativa da economia solidária para atender as famílias residentes nos assentamentos rurais da cidade.
 
 

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »
-

O Círio 2021 está na porta e o Belém quer saber: qual a melhor comida do Círio na sua opinião?

77.8%
22.2%