-
16/07/2020 às 17h56min - Atualizada em 16/07/2020 às 17h56min

Farinha quilombola fará parte da merenda de Alenquer

A previsão é de faturamento de cerca de R$ 400 mil, para 20 quilombolas em 12 meses

Agência Pará
Com edição do belem.com.br
O lucro com a merenda escolar chegará a atingir 60%, de acordo com estimativas da Emater (Foto: Denilson Silva/ Divulgação)
    
Com o apoio do escritório local da Empresa de Assistência Técnica e  Extensão Rural do Estado do Pará (Emater), sob a vigência de um termo de cooperação técnica com o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), 20 quilombolas de um assentamento federal em Alenquer, no Baixo Amazonas, começarão a fornecer farinha d’água para a merenda escolar da rede municipal a partir do segundo semestre letivo. 

Os agricultores pertencem à comunidade Pacoval. Cada família trabalha, em média, sobre um hectare. A expectativa é que o contrato com a Prefeitura, por meio do Programa Nacional de Alimentação Escolar (Pnae), represente para eles um faturamento em torno de R$ 400 mil, de compra-e-venda ao longo de 12 meses. A quantidade de produto ainda não foi definida. 

Em comparação à dinâmica comum de comercialização, pela qual os agricultores dependem de atravessadores, o lucro com a merenda escolar chegará a atingir 60%, de acordo com estimativas da Emater. 

Chefe do escritório local da Emater em Alenquer, o técnico em agropecuária Waldomiro Ferreira comenta sobre a determinação dos agricultores. “Foi uma demanda espontânea da própria Comunidade. Ano passado, quatro produtores já tinham participado do Pnae. Hoje (o programa) se apresenta como uma excelente oportunidade e um canal de valorização e de incentivo ao cultivo da mandioca”.

Além do acompanhamento direto e regular dos plantios, a Emater promove capacitações, algumas já realizadas, em parceria com o Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar).

A Empresa de Assistência Técnica também emite os espelhos da declaração de aptidão ao Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar - Pronaf (Daps) para aprovisionar o Incra. 

O órgão estadual vem prospectando a possibilidade de crédito rural da linha A do Pronaf não só para mandioca, como para pecuária leiteira, no valor individual de até R$ 30 mil.


Waldomiro Ferreira comenta sobre os trabalhos futuros. “Incentivamos a mandioca, que é o carro-chefe. São famílias cuja história de produção se entrelaça com a da Emater. Nossa ideia é que a pecuária leiteira também se torne uma atividade relevante e em breve possa ser inserida na merenda escolar”. 

Link
Notícias Relacionadas »
Comentários »
-

Qual ‘brega marcante’ mais representa esse ritmo musical em Belém?

10.3%
2.9%
2.5%
2.3%
4.7%
14.1%
1.4%
3.0%
1.1%
57.7%