-
-
30/10/2019 às 13h43min - Atualizada em 30/10/2019 às 13h43min

Belém recebe “ParáLer - Nossa Festa Literária”

Evento leva celebração da identidade paraense à Casa das Artes

belem.com.br
Assessoria de Comunicação do evento
A cultura popular tradicional também estará representada no evento, com shows de carimbó e guitarrada, como o do mestre Solano (Foto: Reprodução/Facebook)

Exaltar a identidade paraense por meio do universo da literatura é o eixo norteador da ParáLer - Nossa Festa Literária, que ocorre na Casa das Artes, em Belém, a partir de hoje, dia 30 de outubro. O evento, realizado pelo Governo do Estado por meio da Fundação Cultural do Pará, versa com a cultura alimentar e popular, e reúne profissionais e atores da sociedade em geral em workshops, debates, espetáculos, encontros e comércio de livros e produtos da economia criativa local. A programação segue até o domingo, dia 3 de novembro.
 
A Festa vem com o intuito de valorizar e fortalecer vínculos com o regional, garantindo a partilha das vivências da região. O conceito do evento ultrapassa a compra e venda de livros para realizar uma grande celebração de diferentes nuances da cultura literária: o fortalecimento das editoras locais, a oportunidade para novos autores, o reconhecimento do poder da oralidade, a capacitação de profissionais da educação, a troca de conhecimento a respeito do ofício de escritor, entre outras frentes.
 
Na vasta grade, as atividades convivem com espetáculos teatrais, música, espaços para crianças, saraus e muito mais. Uma peculiaridade da Festa é o foco absoluto na produção literária local: os estandes em que ocorrerá venda de livros serão formados apenas por editoras paraenses. Além disso, diversos nomes importantes da literatura paraense serão festejados ao longo do evento como um todo - alguns ainda em plena produção, como Edyr Augusto, Wanda Monteiro e Paloma Amorim; e outros autores consagrados pela nossa história, como Eneida de Moraes, Haroldo Maranhão, Ildefonso Guimarães, Inglês de Sousa, Dalcídio Jurandir, Bruno de Menezes, Max Martins e Walcyr Monteiro.
 
Um diferencial da ParáLer é o cuidado com a amplitude coerente do evento. Para proporcionar uma experiência mais rica aos participantes, foram contratados curadores para cada um dos nichos temáticos da iniciativa: cultura alimentar, cultura popular tradicional, música, contação de histórias e a economia do livro são alguns dos recortes elaborados pela organização. “O momento é de compartilhamento. Estamos reafirmando essa identidade paraense ao garantir o compartilhamento dos saberes produzidos aqui”, analisa a técnica em gestão cultural da FCP Neila Garcês. "Também teremos profissionais do mercado digital dividindo experiências vividas por meio de seus blogs, o que traz um perfil jovem para a Festa".
 
Programação – Espalhada pelos diferentes espaços da Casa das Artes, a ParáLer apresentará ao público uma variedade enorme de possibilidades, entre as quais estão aulas, relato de experiências, mostras audiovisuais, exposições, bate-papos, rodas de negócios, concursos, debates, saraus, lançamento de livros, festival de contação de histórias, teatro, shows, clubes de leitura e rodas de conversa voltadas para grupos de minorias políticas - como a comunidade LGBTQIA+, as mulheres, a negritude e os refugiados.
 
Um dos destaques da Festa é a ênfase na cultura alimentar. A varanda da Casa estará tomada por profissionais que atuam na gastronomia, em uma espécie de coletivo que recebe o nome de Taberna Pará. Nela, os pratos virão acompanhados de exposições e debates importantes para pensar a gastronomia na região - como produção de alimentos, circulação de conceitos, agrotóxicos, e a questão ambiental. A comida da Festa terá caráter sustentável, sem produtos industrializados - tudo sob a curadoria de Tainá Marajoara, do Iacitata Ponto de Cultura Alimentar.
 
O evento também dá destaque à cultura da oralidade, com uma grande novidade: a aplicação de instalações escutatórias. Nelas, a atividade é de recepção dos frequentadores, que encontrarão projeções e a presença de ouvidores treinados para absorver as histórias trazidas pelo público, incentivando a interação e troca de conhecimento. Já o Festival Pororoca será um encontro para contação de histórias voltadas para crianças e jovens de escolas da Região Metropolitana de Belém. A programação conta com intérprete de libras, outro ponto crucial para a programação - que também inclui workshops da linguagem de sinais e de braille, atividades já desenvolvidas pela Fundação Cultural do Pará.
 
A cultura popular tradicional estará bem representada, com shows de guitarrada e carimbó. Entre as atrações, estarão o guitarreiro Mestre Solano e grupos de mestres dos municípios de Marapanim, Santarém Novo e Soure. Esses gêneros dividirão as noites com outras vertentes da música paraense, como o brega de Nelsinho Rodrigues, a música popular de Andrea Pinheiro e Nanna Reis. A cultura de periferia dos grandes centros urbanos também terá seu lugar: Pelé do Manifesto e Everton MC irão ministrar uma formação em freestyle para o público interessado em mergulhar no universo do rap. A programação completa está disponível no site nossafestaparaler.com.br, e nas redes sociais do evento.
 
Festa em expansão – A ParáLer, embora seja realizada no centro da capital, não realiza suas atividades apenas na Casa das Artes. A Festa oferecerá programações nas bibliotecas comunitárias de cinco localidades da Região Metropolitana: Guamá, Maguari, Satélite, Marambaia e Águas lindas – este último, no município de Ananindeua. A biblioteca polo do evento será a do Guamá, que existe há cerca de 50 anos. Nesses espaços, integrados à Rede Nacional de Bibliotecas Comunitárias, serão realizados saraus, formações e encontros. “A ideia é, no futuro, levar a ParáLer para as ruas. É esse conceito de Festa que queremos. É levar a literatura para o centro histórico, por exemplo, para municípios do interior do Pará. Esse é um projeto piloto”, afirmou o diretor de Leitura e Informação da Fundação Cultural do Pará (FCP), Guilherme Relvas.
 
De acordo com o servidor, a programação vem ainda para movimentar a economia do livro local, divulgando o mercado editorial e produções literárias bibliográficas paraenses. “O Estado não comprava produção paraense há aproximadamente 15 anos. Até o momento, foi investido R$ 1,5 milhão, com previsão de chegarmos até os R$ 3 milhões no final deste ano”, concluiu Relvas.
 
O evento é uma realização da Fundação Cultural do Pará (FCP), por meio de Emenda Parlamentar do deputado Igor Normando.
 
Serviço:
ParáLer Nossa Festa Literária
Data: 30 de outubro a 3 de novembro de 2019
Onde: Casa das Artes (Praça Justo Chermont, 236 – Nazaré)
Horário: 10h às 20h
nossafestaparaler.com.br
Entrada Franca
Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »

Você é a favor do isolamento social?

52.4%
46.9%
0.7%
-
-
-