-
21/03/2020 às 20h00min - Atualizada em 21/03/2020 às 20h00min

Governador do Pará solicita apoio da China para combate à Covid-19

A parceria visa à aquisição de materiais médicos, sanitários, respiradores e testes rápidos

Agência Pará
Com edição do belem.com.br
A China é um dos principais parceiros comerciais do Pará (Foto: Marco Santos/ Agência Pará)
      
O governador do Pará, Helder Barbalho, solicitou ao embaixador da China no Brasil, Yang Wanming, neste sábado (21), o apoio do governo chinês para o combate à Covid-19, causada pelo novo Coronavírus. O ofício assinado pelo chefe do Executivo quer parceria para aquisição de materiais médicos, sanitários, respiradores e testes rápidos, além de insumos para detectar a doença. A China é um dos principais parceiros comerciais do Pará.

"A parceria da China com o Pará é de grande importância, e está garantindo a implantação do Polo Siderúrgico, da Ferrovia do Pará, da exportação de carne ao mercado chinês, além de possibilidades de investimentos na produção e verticalização locais. Portanto, embaixador Yang Warnming, todo nosso respeito e agradecimento de sempre. Reforçando ainda a disponibilidade para receber ajuda na aquisição de equipamentos para combate ao Coronavírus no Estado", escreveu Helder Barbalho, em seu Twitter.

No ofício já enviado ao embaixador da China, Helder Barbalho informou que está tomando todas as providências possíveis para prevenir novos contágios por Coronavírus no Estado, mobilizando todo o Sistema de Saúde Pública. O principal pedido do governador é referente à aquisição de respiradores, testes rápidos e leitos de UTI, com os insumos necessários.

Parcerias - O Pará e a China são grandes parceiros comerciais. Em maio do ano passado, o governo do Estado, a mineradora Vale e a CCCCSA (China Communications Construction Company) assinaram um protocolo de entendimentos para a construção de uma laminadora de aços planos em Marabá, no sudeste paraense, com investimento previsto de R$ 1,5 bilhão e capacidade para produção de 300 mil toneladas/ano de aços laminados. A siderúrgica será instalada no distrito industrial de Marabá.

Em setembro do ano passado, quatro frigoríficos paraenses receberam habilitação para exportar para o mercado chinês. Conforme um comunicado do GACC (órgão sanitário da China), 25 plantas frigoríficas brasileiras estavam habilitadas a vender carne para o país asiático, entre elas o Frigorífico Rio Maria, no município de Rio Maria (sul do Estado); Master Boi Ltda., em São Geraldo do Araguaia (sudeste); Frigol, em Água Azul do Norte (também no sudeste), e Mercúrio Alimentos, em Castanhal (Região Metropolitana de Belém).

Segundo a Secretaria de Estado de Desenvolvimento Agropecuário e da Pesca (Sedap), os quatro frigoríficos representam quase 2 mil empregos diretos e 6 mil indiretos. A comercialização de carne no mercado internacional manteve o setor e, consequentemente, o mercado interno e os empregos gerados pela atividade em território paraense.

Ferrovia - Em novembro de 2019, o Governo do Pará e a CCCCSA também firmaram protocolo de intenções para estudos de viabilidade econômica visando à implantação e exploração da Ferrovia Pará, entre os municípios de Marabá e Barcarena, no valor de R$ 7 bilhões. A malha ferroviária proposta interligará o porto de Vila do Conde, em Barcarena, no nordeste do Estado, a municípios do sudeste paraense, como Marabá e Parauapebas, e de lá até Açailândia, no Maranhão, com a Ferrovia Norte-Sul. Trata-se de um dos mais importantes projetos estruturais e de desenvolvimento do Norte do Brasil, e o maior investimento internacional em andamento no País, reforçando os laços do Pará com a China.

Outro setor contemplado na relação comercial entre Pará e Ásia é o da mineração. Ao todo, em 2019 foram US$ 15.789.839 bilhões em produtos exportados pelo Pará, com destaque para o minério de ferro bruto, que teve um crescimento de 23,94% no período, chegando a exportar mais de US$ 11 bilhões, principalmente para o mercado chinês. A Ásia se manteve como o bloco econômico que mais comprou produtos oriundos do Pará, com destaque para o minério de ferro e seus concentrados exportados para a China.

Link
Tags »
Notícias Relacionadas »
Comentários »
-

Qual ‘brega marcante’ mais representa esse ritmo musical em Belém?

10.3%
2.9%
2.5%
2.3%
4.7%
14.1%
1.4%
3.0%
1.1%
57.6%